Terça-Feira, 18 de Junho de 2024

Notícias

Quinta-Feira, 08 de Junho de 2023 21:22

Sorriso: TJ mantém prisão de dono de garagem por liderar esquema de R$ 70 milhões

A Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJMT) manteve a prisão de Valdelírio Krug, dono de uma revenda de carros em Sorriso, supostamente utilizada para a lavagem
de dinheiro obtido da “venda” de agrotóxicos roubados. Ele é um dos alvos da operação
“Xeque-Mate”, deflagrada pela Polícia Judiciária Civil (PJC) em novembro de 2022, que
revelou o esquema.

Os magistrados seguiram o voto do desembargador José Zuquim Nogueira, relator de um habeas corpus ingressado pela defesa de Valdelírio Krug, que também representa o atendente de farmácia Danilo Pereira de Lima, outro alvo da operação “Xeque-Mate”. Ambos tiveram o pedido de liberdade negado. A sessão de julgamento ocorreu na manhã desta quarta-feira (7). A defesa dos réus alegou “excesso de prazo” para a prisão, apontando um suposto atraso no trâmite processual, que ainda depende da citação de um dos réus para
responder às acusações.

Segundo informações da PJC, os alvos da operação “Xeque Mate” são suspeitos de crimes de associas criminosa, receptação qualificada e lavagem de capitais, movimentando quantias equivalentes a R$ 70 milhões. Foram presos na operação João Nassif Massufero Izar, David dos Santos Nascimento, Danilo Pereira Lima, Vadelírio Krug, Viviane Menegazzi, Cassiane Reis Mercadante e Rodrigo Calca.

Estão foragidos Sandoval de Almeida Júnior, Ângelo Marcosi da Cunha e Mauri Moreira Silva. A apuraçã realizada pela Delegacia de Sorriso identificou que a associação criminosa armada possuía um líder que em diversas frentes, especialmente na receptação de agrotóxicos e de cargas de grãos roubados.

O bando também atuava na lavagem de dinheiro de crimes de diversas naturezas. A investigação apurou ainda que os agrotóxicos eram comprados de diversas associações criminosas especializadas neste tipo atividade e que eram posteriormente revendidos a outros receptadores, que figuravam como “consumidor finais”.

Outra atividade utilizada pelo grupo criminoso para diluir o dinheiro angariado com as atividades ilícitas era a compra e venda de jóias, oferecidas a traficantes de drogas.

Fonte: Folha Max

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}