Sexta-Feira, 23 de Fevereiro de 2024

Notícias

Quarta-Feira, 27 de Dezembro de 2023 17:29

MT colhe quase 1% da área destinada para a soja no que pode ser a maior quebra de safra da história

Mato Grosso colheu 0,99% da área semeada com soja nesta safra 2023/24. Os primeiros talhões colhidos apontam uma média de produtividade que varia entre 7 e 30 sacas por hectare, preocupando cada vez mais os agricultores.

A colheita de soja em Mato Grosso começou cerca de 30 dias do esperado, em decorrência ao encurtamento do ciclo, visto o clima seco e quente. Tal fato é considerado histórico, inclusive, uma vez o levantamento do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) divulgado no dia 22 de dezembro não apresenta média histórica de colheita para o período.

O levantamento revela que a região médio-norte é a mais adiantada com 1,78% da sua área de soja 2023/24 colhida, enquanto a oeste encontra-se com 1,69%. Na região sudeste 1,35% das lavouras foram colhidas e na centro-sul 0,30%.

Quebra de safra e situação de emergência

 

 

A irregularidade das chuvas e o calor forte podem levar Mato Grosso à maior quebra da safra de soja da história. A estimativa é do Itaú BBA, que projeta queda de 20% na produtividade das lavouras em relação ao potencial.

A perspectiva do Itaú BBA, no relatório Radar Agro de dezembro, divulgado no dia 20, é semelhante a pesquisa apresentada pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) um dia antes, na qual foi apontado que os sojicultores devem colher 36,15 milhões de toneladas nesta temporada, 9,16 milhões a menos que na safra passada.

A colheita da soja que deveria começar nos próximos dias em Mato Grosso, teve início em meados da segunda quinzena de novembro.

Em alguns municípios, como Campo Verde e Nova Mutum, há relatos de produtividade média nas primeiras áreas colhidas de 7 sacas por hectare e 13,5 sacas. Volumes estes considerados insuficientes para cobrir o custeio da temporada de R$ 4.124,27 por hectare.

Como o Canal Rural Mato Grosso já comentou, alguns municípios mato-grossenses decretaram desde o dia 30 de novembro situação de emergência pela falta de chuvas, como é o caso de Araputanga, Chapada dos Guimarães, Canarana, Diamantino, Porto Alegre do Norte e Tabaporã.

No dia 21 de dezembro Sorriso, maior produtor de soja do Brasil com 630 mil hectares destinados para a cultura, entrou na lista dos municípios que decretaram situação de emergência. Por lá, conforme o Sindicato Rural, as estimativas apontam perdas entre 20% e 30% em decorrência ao clima adverso.

Fonte: Canal Rural

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}