Domingo, 17 de Outubro de 2021

Notícias

Sexta-Feira, 24 de Setembro de 2021 09:45

Designer de MT entra para o Guinnes por reconstruir casco de jabuti

Cícero contou que recebeu a notícia com surpresa e, no início, pensou até que era uma pegadinha

O designer Cícero Moraes, de Sinop, no norte de Mato Grosso, entrou para o 'Guinness Book 2022' – o livro dos recordes –, lançado na terça-feira (14), após reconstruir o casco de um jabuti que perdeu a proteção durante um incêndio em 2015. Essa foi a primeira prótese de casco de jabuti feita em impressora 3D no mundo.

- FIQUE ATUALIZADO: entre em nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias em tempo real (clique aqui).

Ao g1, Cícero contou que recebeu a notícia com surpresa e, no início, pensou até que era uma pegadinha.

"Só acreditei quando entrei no link oficial e vi o nome do grupo que ajudou na reconstrução. Quando criei o casco não esperava isso. Estava preocupado em saber se a prótese iria funcionar. O medo do insucesso estava presente. Felizmente, deu certo e o estouro midiático foi um bônus que nos trouxe muita honra e alegria", pontuou.

 

O jabuti que recebeu a nova proteção ficou gravemente ferido em um incêndio florestal que ocorreu em Brasília. Além disso, sobreviveu a duas crises de pneumonia e 45 dias sem comer, antes de ser encontrado pelo grupo de voluntários 'Animal Avengers' e encaminhado a um veterinário especialista em animais silvestres.

Sem o casco, o jabuti não consegue ficar muito tempo no sol e fica exposto a ataques de outros animais e a espinhos encontrados nas matas.

"Quando foi resgatada, Fred tinha apenas um restinho de casco, que logo caiu. Ela ficou totalmente desprotegida. Solicitei várias fotos dela e de um jabuti de estimação de um colega de Sinop para fazer o parâmetro. Depois, joguei tudo no computador e fui reconstruindo a volumetria", explicou.

À época, o animal foi apelidado de 'Fred' por se assemelhar ao personagem do filme de terror 'Freddy Krueger', mas, tempo depois, descobriram que o réptil era fêmea, então passaram a chamar de 'A Fred'.

A reconstrução

Segundo Cícero, quando o animal chegou na clínica, tinha larvas de insetos na região onde o casco foi destruído. Enquanto Fred recebia o tratamento em Brasília, o designer preparava o novo casco em Mato Grosso.

"Fizemos a reconstrução a partir das fotos. O mais difícil foi dividir essa próstese em quatro partes. Nunca tínhamos feito isso e não podíamos errar. A impressão 3D foi um processo extremamente complexo", contou.

As peças maiores do casco levaram cerca de 50 horas para serem impressas e as menores de 28 a 35 horas, segundo Cícero.

Ao todo, o projeto demorou cerca de um mês para ser concluído.

Depois de pronta, a nova casca foi encaminhada para Brasília e a cirurgia foi feita pelos veterinários Roberto Fecchio, Rodrigo Rabello e Matheus Rabello, e pelo cirurgião dentista Paulo Miamoto.

"Assim que a jabuti voltou da anestesia, o primeiro movimento dela foi se esconder no casco e essa foi uma prova concreta de que o projeto deu certo. Todos ficaram muito contentes".

Em 2016, um engenheiro fez uma pintura realista no casco para completar o projeto e, desde então, o animal vive em um espaço reservado na casa do veterinário que fez os primeiros socorros.

 
Fonte: mt.gov.br

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}