Domingo, 17 de Outubro de 2021

Notícias

Quarta-Feira, 18 de Agosto de 2021 08:19

Acusado de matar cunhada na frente da filha é condenado a 28 anos de cadeia

Em sessão plenária realizada na segunda-feira (16), Arley Fagundes Ricardo foi condenado a 28 anos de reclusão e 20 dias-multa pelo homicídio da cunhada Alessandra Fernandes Silva, porte ilegal de arma de fogo e uso de documento falso, em Pontes e Lacerda (a 448km de Cuiabá).

O Conselho de Sentença reconheceu a materialidade e autoria dos crimes, bem como as qualificadoras de motivo torpe, meio cruel, mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio (crime praticado contra a mulher por razões da condição de sexo).

 

O valor de cada dia-multa foi fixado em 1/30 do salário mínimo vigente à época dos fatos. Ainda conforme a sentença, o réu foi condenado ao pagamento das custas processuais, cumprirá a pena inicialmente em regime fechado e não poderá recorrer em liberdade. Atuou no júri o promotor de Justiça Fabison Miranda Cardoso.

 

 

De acordo com a denúncia do Ministério Público de Mato Grosso, o vaqueiro Arley Fagundes Ricardo matou a cunhada Alessandra Fernandes Silva na frente da filha dela, de quatro anos de idade, em novembro de 2018. “Na ocasião, Arley e Alessandra passaram a se desentender por motivos frívolos, de pequena importância. Ato contínuo, o denunciado passou a golpear a vítima, ocasião em que perfez agressões diversas e intensas e, para tanto, utilizou de objetos cortantes e contundentes contra a vítima”, narra a peça acusatória.

 

 

A vítima foi assassinada com golpes de arma branca, embora o denunciado portasse ilegalmente uma garrucha calibre 22. Após o crime, Arley abandonou a arma de fogo no local e fugiu, sendo capturado pela Polícia Judiciária Civil em junho de 2019, quando durante a abordagem apresentou documento de identidade (RG) falso.

Fonte: reporter mt

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}