Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, haverá guerra. Bob Marley
Geral |
Selma não aceita palanques com corruptos e ameaça até deixar a disputa ao Senado
05 de Junho, 2018
Esta matéria tem:

A juíza aposentada, Selma Arruda não descarta a possibilidade de desistir de entrar na vida política. Pré-candidata a uma vaga no Senado Federal, ela avisou nesta terça-feira que não vai aceitar nenhum tipo de imposição do PSL, se partido, principalmente em Mato Grosso e que para disputar o cargo será preciso a sigla empenhar a bandeira contra a corrupção no serviço público.

O recado, curto e grosso, foi dado após o encontro que teve com o governador Pedro Taques (PSDB) no prolongado final de semana em que o presidente de seu partido, o deputado federal Victorio Galli esteve presente. Ela anunciou que não vai aceitar ter de subir em um palanque com o governador e muito menos com partidos que estejam envolvidos em escândalos de corrupção com o PSDB.

“Estivemos na residência do governador a convite dele, juntamente com o Galli, e o Barbudo. Lá ouvimos bastante o que ele tinha a nos expor e sobre os feitos da gestão e apontou algumas coligações que estão sendo feitas com o PSDB. Nós fomos mais para ouvi-lo. Já tivemos conversas neste mesmo tom e sentido com outros pré-candidatos também, mas reitero que o PSL tem o seu pré-candidato ao Governo do Estado, que é o Dilceu Rossato”, disse a juíza.

A ex-juíza afirmou que não quer dividir palanque com quem já “conviveu” com ela na Sétima Vara Criminal, onde ela atuava em processos de combate a corrupção.

“Não é necessariamente com o governador, mas existem ali partidos e pessoas com quem eu não me sentiria confortável. Não gostaria de nominar se é esse ou aquele outro. Conversamos isso com Otaviano Pivetta, Mauro Mendes e como a que poderei ter com o Wellington Fagundes. O nosso cuidado maior tem sido esta questão. Disse desde o primeiro dia em que fiz minha pré-candidatura, que é no sentido de não dividir palanque com quem eu já tenha convivido na Sétima Vara ou ligação com aqueles atos ilícitos que eu combati”, explicou.

“Estas conversas são mais democráticas, de troca de ideias, do que com outras proposituras mais incisivas. Não fez propriamente um convite. As coisas foram postas, mas está muito cedo para se falar em convite, aliança ou coligações. É normal que neste momento que as lideranças e partidos conversem entre si. Sou membro de um partido e minha pré-candidatura está posta. Se alguma decisão não for coerente com o que eu penso e se não for algo que me deixe confortável, eu retiro a candidatura sem problema algum”, completou.

 

Fonte:24 horas news
+ FOTOS DESTA NOTICIA
  COMENTARIOS
  Deixe seu comentario nesta noticia:
CAPTCHA code
PATROCINADORESCLICNOTICIAS