O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza de seus sonhos. Elleanor Roosevelt
103402 |
Falta de médicos causa revolta de pacientes de pronto-socorro em MT
18 de Novembro, 2013
Esta matéria tem:
Ontem (17), a demora no atendimento de pacientes no Pronto-Socorro de Várzea Grande (PSVG), causou revolta e muitas reclamações de quem precisou de atendimento na unidade.

Informações repassadas por funcionários do PSVG, que não quiseram se identificar, dão conta de que haveria falta de médicos. Consta que quatro teriam pedido demissão na última semana e, até agora, o quadro de funcionários não teria sido resposto.

Ainda segundo os funcionários, a falta de médicos faz com que alguns pacientes da urgência e emergência que chegam ao local sejam levados pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) à Policlínica do Verdão.

“É uma falta de humanidade. Falta de organização, de administração. A gente não tem condições, mas o SUS (Sistema Único de Saúde) está aqui para atender as pessoas. Meu primo agora depende de um milagre pra salvar a vida dele”, disse ao G1 a consultora de vendasAdelaine Vieira Alencar, prima de um homem que teria chegado na unidade após sofrer um acidente de carro durante a madrugada e só foi atendido seis horas depois. “Ele foi socorrido pelo Samu. Chegando aqui, ele precisava fazer uma tomografia para saber o estado dele. Mas, não conseguiu porque era um serviço terceirizado e dependia de uma pessoa para isso. E essa pessoa só veio umas 9h”, afirmou ela.

À reportagem, porém, o diretor do PSVG Renato Tetilla não confirmou a saída dos quatro médicos, mas disse que a rotatividade é normal e que há profissionais atendendo na unidade. “Às vezes, esses médicos passam em provas de pós-graduação ou vão para o interior, por exemplo. Faz parte. Estamos constantemente contratando. Porém, há aqueles que ficam lá para atender no plantão, sim”.

Ainda segundo ele, apesar de ser plantonista, o médico cirurgião é plantonista, mas não fica na unidade. “Ele faz plantão a distância e vai para o pronto-socorro quando é chamado. Esse é um procedimento de rotina e a população precisa entender”.
Fonte:Redação Clichoje/Nortão Notícias
PATROCINADORESCLICNOTICIAS